Quadrilhas juninas são espetáculo à parte no São João de Campina Grande

Foto: Divulgação/Codecom-CG
 

Da Redação com CODECOM/CG

Um espetáculo de cores, alegria e emoção. Assim são as quadrilhas juninas, uma tradição que chegou ao Brasil na época da colonização, rompeu as paredes dos salões da burguesia e tomou conta do país nas festas de São João. Antes caipiras, as juninas se estilizaram, ganharam mega produções e se transformaram em verdadeiros espetáculos de dança e teatro. Em Campina Grande, elas envolvem cerca de 1.500 pessoas, entre dançarinos e equipes de produção e movimentam uma verdadeira indústria.

São costureiras e bordadeiras que trabalham, praticamente o ano inteiro, na produção das fantasias. Em torno das quadrilhas gira ainda um comércio de calçados, adereços e uma série de outros produtos, que dão brilho e cor às agremiações. As apresentações, sobretudo nos dias de competição, chegam a atrair um público em torno de duas mil pessoas, na Pirâmide do Parque do Povo.

“Nós reconhecemos o valor cultural das quadrilhas juninas e sua importância para O Maior São João do Mundo. Entendemos que elas, assim como o forró e a fogueira, são símbolos importantíssimos das festas juninas e por isso precisam ser preservadas e incentivadas”, enfatizou o diretor da Medow, empresário Jomário Souto.

As apresentações acontecerão todas as noites, das 19 às 22h, com exceção do dia 12, quando a Pirâmide sedia o Casamento Coletivo. Além disso, 20 juninas estão habilitadas a participar dos Festivais de Quadrilhas Juninas.

O Maior São João do Mundo em Números

– 31 dias;
– 2 milhões de pessoas (público circulante estimado para os 31 dias, com base em pesquisa realizada em 2019);
– Mais de 1.000 horas de forró;
– Cerca de 800 shows;
– Mais de 500 artistas e bandas;
– Mais de 80 trios de forró;
– 5 palcos;
– Sete portões de acesso;
– Abertura dos portões – de segunda a sexta-feira, às 18h; sábados e domingos, às 12h;
– Dois portões acesso camarote (Abertura às 20h);
– 2 Ilhas de Forró (Seu Vavá e Zé Bezerra);
– 3 pólos de descentralização (Galante, São José da Mata e Vila do Artesão);
– R$ 300 milhões (valor injetado na economia em 2019);
– 42,5 mil metros quadrados (área do Parque do Povo);
– Cerca de 400 comerciantes (barracas, restaurantes, quiosques e ambulantes de bebidas e diversos);
– 285 profissionais de limpeza;
– 40 catadores de material reciclável;
– 5 toneladas de lixo/dia (número de 2019);
– 1,2 tonelada de material reciclável/dia (número de 2019);
– 50 quadrilhas juninas;
– 1.500 pessoas envolvidas nas quadrilhas juninas
– 3 prédios cenográficos em tamanho natural (Catedral, Telégrapho e Cassino Eldorado).

Curiosidades

– 39 anos de festa (40 edições, desde junho de 1983, sendo duas virtuais – 2020 e 2021);
– 30/05/1986 – data da inauguração da primeira etapa do Parque do Povo (Pirâmide e parte superior);
– A Pirâmide do Parque do Povo foi batizada de Forródromo, numa alusão ao sambódromo, no Rio de Janeiro;
– Capilé e Assisão foram os primeiros artistas a se apresentar na Pirâmide;
– Capilé é o único artista que se apresentou em todas as edições d’O Maior São João do Mundo;
– A Pirâmide, na verdade, foi projetada para ser uma fogueira estilizada;
– A construção do Parque do Povo (área superior e Pirâmide) durou seis meses.