João Azevêdo abre 34° Salão do Artesanato em Campina Grande e destaca ações do Governo

Foto: Divulgação/Secom-PB
 

Da Redação com SECOM/PB

O governador João Azevêdo abriu, no início da noite desta quarta-feira (8), em Campina Grande, a 34ª edição do Salão do Artesanato Paraibano, que seguirá até o dia 3 de julho, das 15h às 22h, todos os dias da semana, no Museu de Arte Contemporânea (MAC)/Unifacisa. Nesta edição, o evento presta uma homenagem aos bordados, com o tema “Bordados que contam histórias”, e tem a expectativa de superar os números de 2019, quando o Salão foi realizado pela última vez na Rainha da Borborema antes da pandemia, com visitação de 100 mil pessoas e um volume de negócios que chegou a R$ 1,3 milhão.

Ao lado da primeira-dama e presidente de Honra do Programa do Artesanato Paraibano (PAP), Ana Maria Lins, o chefe do Executivo estadual visitou todos os estandes, conversou com artesãos e destacou a importância do artesanato como segmento gerador de ocupação e renda. “Nosso Governo conseguiu levar o artesanato da Paraíba para um patamar completamente diferente, não só pelos grandes Salões que temos realizado em João Pessoa e aqui, em Campina Grande, mas também pela participação do próprio artesanato em todas as feiras do Brasil. Isso tem feito um diferencial muito grande. Tanto é assim que hoje a renda renascença é destaque mundial”, afirmou, elogiando a megaestrutura do 34° Salão do Artesanato, “o maior que Campina Grande já teve”.

“Eu fico muito feliz de estar aqui hoje, voltando após dois anos sem o Salão presencial por conta da pandemia. Se Deus quiser, essa será uma grande festa do artesanato paraibano, que está sendo reconhecido no Brasil e no mundo, o que é mais importante”, prosseguiu João Azevêdo.

A primeira-dama do Estado e presidente de Honra do Programa do Artesanato Paraibano, Ana Maria Lins, comemorou o retorno do Salão de Campina Grande. “Estamos todos com as energias renovadas e com o coração transbordando de alegria. O momento é de agradecer a Deus, em primeiro lugar, e a tanta gente do bem, que acreditou e lutou para chegarmos a esse momento. Durante a pandemia, as ações do Governo do Estado em prol do artesanato não pararam um só momento”, comentou.

A gestora do PAP, Marielza Rodriguez, ressaltou os esforços do Governo do Estado na realização do 34° Salão do Artesanato. “O momento é de alegria e gratidão. É muita gente do bem que se juntou neste que é o maior Salão que Campina já teve. Agradecer ao governador João Azevêdo, à presidente de Honra do PAP, Ana Maria Lins, aos nossos artesãos e artesãs por terem acreditado, e aos nossos parceiros”, disse.

O Salão está montado em uma megaestrutura, com área de 3,4 mil m², ambientada e decorada com inspiração no grande homenageado, o bordado, peças artesanais em suas mais diversas tipologias: labirinto, madeira, brinquedos populares, artesanato indígena, crochê, tricô e — claro — o bordado, que se multiplica em desenhos únicos.

O diretor-técnico do Sebrae, Luiz Alberto Amorim, destacou a parceria exitosa com o Governo do Estado. “Campina Grande tem, nesta edição, um evento que, além de bonito, é grande, com a participação de 400 artesãos, mostrando seu trabalho não apenas para os campinenses, mas para todos que visitam a cidade nesta época do ano. A expectativa é de pleno sucesso”, frisou.

O presidente da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), Adriano Galdino, parabenizou as ações do Governo do Estado em prol do artesanato. “É uma alegria estar dividindo esse momento tão especial na vida do artesão, na vida dos que fazem cultura, na vida econômica de Campina Grande”, acrescentou.

A abertura da 34ª edição do Salão do Artesanato Paraibano foi prestigiada pelos prefeitos Francinildo Pimentel (Alagoa Nova) e Eliane Galdino (Pocinhos), além do deputado federal Wilson Santiago e dos estaduais Wilson Filho e Ricardo Barbosa. Auxiliares do Governo do Estado também estiveram presentes ao evento, a exemplo de Janete Lins, gerente do Museu Fundação Casa de José Américo; Deusdete Queiroga (Infraestrutura); Nonato Bandeira (Comunicação Institucional); Roberto Paulino (secretário chefe do Governo do Estado); Ronaldo Guerra (Chefia de Gabinete do Governador); Simone Guimarães (Suplan); e Fabrício Feitosa (Empreender-PB).

Coração a mil — Pouco antes da abertura  do 34° Salão do Artesanato Paraibano, o clima era de expectativa, sentimento compartilhado por todos os artesãos. Mas para quem está sendo homenageado o sentimento vem reunido com ansiedade e gratidão. Tipologia tradicional e presente em diversos municípios paraibanos, a homenagem ao bordado vem fortalecer ainda mais a arte, que se faz muito presente em João Pessoa, Campina Grande (com destaque para o Distrito de Galante), Alagoa Nova, Serra Redonda e Gurinhém.

A bordadeira Thalilia Costa, de Alagoa Nova, falou em nome das homenageadas. “Eu espero de coração que todos os artesãos valorizem essa oportunidade que o Governo da Paraíba nos dá. Nós não podemos normalizar o fato de termos um estande para expor nossas peças, um alojamento para ficar. Na Paraíba a gente tem isso de graça”, disse.

Com mãos hábeis e mostrando que no bordado não há espaço para preconceito, Tiago Cavalcante, do município de Gurinhém e aos 20 anos, viu na tipologia a oportunidade de ter uma renda. “Entrei por necessidade mesmo. Mas logo vi que o bordado poderia me dar muito mais. Por enquanto, quero me aperfeiçoar ainda mais”, disse, mostrando almofadas e panos de prato que ficaram ainda mais bonitos com desenhos únicos.

De Alagoa Nova, a artesã Eurídice Honorato não esconde a alegria com a abertura do Salão, o “grande dia”, como fez questão de ressaltar. “Participo do Salão desde 2012 e essa é a primeira vez que o bordado é homenageado. Essa homenagem vai fazer o bordado ser ainda mais lembrado. Estou muito feliz”, disse.

O comerciante Eliomar de Arimateia Diniz também expressou sua alegria por receber um crédito emergencial do Empreender-PB, no valor de R$ 11 mil, para poder voltar a negociar durante os festejos juninos no Parque do Povo depois de ter sua barraca incendiada. O contrato foi assinado durante a solenidade de abertura do salão.

Solidariedade – Outro destaque é que o Salão abrirá, como em outras edições anteriores do evento, as portas para a solidariedade. A organização lembra que não é obrigatório, mas pede que os visitantes levem um quilo de alimento não perecível. As doações serão destinadas a instituições filantrópicas após o término do evento.

O 34° Salão do Artesanato Paraibano também abraçará a sustentabilidade. Durante o evento é proibido o uso de canudos e sacolas plásticas.

O Salão do Artesanato Paraibano é uma realização do Governo do Estado, em parceria com: Sebrae, Unifacisa, Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Empreender-PB, Empresa Paraibana de Comunicação (EPC), Junta Comercial do Estado da Paraíba (Jucep), Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa), São Braz, Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep), manacá – plantas e projetos, O Resgate, Departamento de Trânsito da Paraíba (Detran-PB), Procon-PB, Rede Ita, Fundação Pedro Américo, Fundação Espaço Cultural (Funesc) e Hospital Padre Zé.

Serviço:

34° Salão do Artesanato

Local : Museu de Arte Contemporânea (MAC)/Unifacisa – Campina Grande

Período : 8/6 a 3/7

Horário :  15h às 22h

Tema : “Bordados que contam histórias”